Writober 2020?

Chega Outubro e começam os desafios.
Já devem ter visto os ilustradores a ilustrar durante os Inktober, onde seguem listas com temas ou palavras durante trinta e um dias para criarem arte fantástica.
Já eu, por inveja tola, comecei um Writober em 2017 e achei-me um génio por ter inventado a palavra writober sem saber que já existia e que muitos o praticavam. Enfim.

À semelhança dos ilustradores, tinha de escrever uma frase ou um textito por dia para desenferrujar e motivar a escriita; metia uma imagem a acompanhar e partilhava nas redes sociais.
Ao quinto dia já estava a odiar o desafio; não pelo trabalho ou pela disciplina, mas porque o que escrevia era forçado e não tinha nada a ver com nada – peças pseudo intelectuais e sem ponta por onde se pegar. Até que decidi ligar os textos e começar uma história que durasse o mês inteiro, com cada episódio a ser escrito de improviso no próprio dia.

Já estava a gostar mais, mas muito mais!
O feedback também foi positivo e tive parceiros ilustradores a emprestarem-me trabalhos para acompanhar a escrita; e os textos soltos e vazios acabaram num space opera épico – palavras minhas, não de terceiros.
Foi uma experiência cansativa porque estava a escrever em português para depois traduzir para inglês; chegava a demorar um dia inteiro em cada episódio e não me estava a ajudar ao aumentar o tamanho das entradas; de pequenas sínteses passei para contos com algum volume que depois teria de traduzir… Jurei para nunca mais.

Em 2018, já estava com mais calo! Até tinha um calendário com tudo planeado, com as personagens e alguns pontos de interesse da estória; o resto seria improvisado como no ano anterior e nossa, que ano maravilhoso!
Para além de ter adorado o que escrevi, o feedback foi bastante construtivo e positivo. Ah, e não escrevi em inglês.
Desta vez, situei a estória na realidade; não houve ficção científica nem fantasia, bem… só com um polvilho de magia algures. E gostei tanto que aproveitei o resultado para desenvolver o manuscrito do meu primeiro livro. De momento parado por zero motivação. Talvez um dia…

Já em 2019, quis desenvolver uma ideia que marinava há já alguns anos e que estava bastante forte por ter terminado The Dark Tower e His Dark Materials; queria explorar outras dimensões, outras realidades e brincar com o género da fantasia, um que adoro, mas que não consigo escrever.
Também foi um ano muito bom, não só pelo feedback, mas por ter escrito com uma rival, outra autora a participar no Writober, mas com uma qualidade bem superior à minha!
Também foi um processo algo estranho porque estive acamado e, se podia agendar os episódios, decidi não o fazer e aguentar-me à bronca. Escrevi-os bem cedo, a sair da anestesia e no telemóvel porque não conseguia usar o computador, mas nenhum prazo foi quebrado.

Olhando para trás, estes três anos passaram como três temporadas de séries com as respectivas evoluções de qualidade, situações e imprevistos. Só que neste ano de 2020 não haverá nada para ninguém.
Também já estamos a vinte, seria muito tarde para começar!, mas estive parado? Estive. E não estive.
Desde o primeiro de Janeiro que estou a partilhar micro estórias através das Stories do Instagram. Também as comecei como pensamentos soltos, mas rapidamente me fartei de inventar bitaites para contar uma estória massiva. Então, ainda com o bicho do Writober de 2019, pensei em desenvolver mais aquele mundo.
Também tive feedback, sugestões e muita preguiça em continuar a escrever. Tanto que estou a escrever esta entrada quando tenho um mês de episódios por apanhar… Mas serão escritos! E vou acabar no último dia do ano!
Depois, as análise e os artigos que me ocupam boa parte da cabeça, mas que me dão um prazer enorme; ou davam…

E como será 2021? Não faço a mais pálida ideia, mas como estarei no desafio do Backlog, terei de pensar nalguma coisa. Talvez passe a desenhar? Só sei desenhar stick men, mas…
Já agora, querem ler tudo? Estejam à vontade!, mas lembrem-se que nada foi editado; foi tudo escrito em cima do joelho e com revisão zero.

2017
2018
2019
(Desçam ao 1 de Outubro e acabem no 31)

Agora que os vejo com outros olhos… ouch, sem edição nem formatação. Reler fere-me os olhos, mas fazem-me lembrar dos bons dias desses anos e da razão pela qual mudei de um blogue para um site pessoal.
Boas leituras (e agradeço comentários!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *